X

Whatsapp Chat

Novembro Azul: cannabis com fins medicinais pode ajudar no tratamento do câncer de próstata?

No novembro-azul, o tema em voga é o segundo tipo de câncer mais comum entre os homens: o câncer de próstata. A próstata, localizada abaixo da bexiga e à frente do reto, é uma glândula que envolve a porção inicial da uretra. Sua função é produzir o fluído que nutre e protege os espermatozoides no sêmen. Cerca de 65 mil novos casos de câncer de próstata foram registrados no Brasil em 2020 segundo o INCA.

É considerado um câncer de terceira idade, com mais de 75% dos casos no mundo ocorrendo a partir dos 65 anos. Além do avanço da idade, fatores como excesso de gordura corporal e histórico familiar, que podem refletir tanto fatores genéticos quanto estilo de vida, aumentam o risco de desenvolvimento de câncer de próstata. Exposição a agentes carcinogênicos, como aminas aromáticas, arsênio, fuligem, dioxinas, e outros também estão associados ao câncer de próstata.

Assim como os demais tipos de câncer, o diagnóstico precoce aumenta significativamente as chances de sucesso do tratamento. O acompanhamento periódico deve ser feito em pessoas pertencentes aos grupos de risco e incluem, principalmente, exames de toque retal e de sangue para a detecção de PSA, um antígeno prostático específico cujo aumento dos níveis pode indicar alterações na próstata. Deve-se ficar atento a sintomas como dificuldade de urinar, diminuição do jato de urina, necessidade de urinar com maior frequência ou a presença de sangue na urina. A depender dos resultados dos exames, o diagnóstico poderá ser confirmado através de biópsia.

O tratamento não difere muito dos demais, prevalecendo estratégias convencionais como cirurgia, quimioterapia, radioterapia ou terapia hormonal. Assim como no nosso texto do mês passado, que abordou a possibilidade do uso dos canabinoides na terapia contra o câncer de mama, não há evidência clínica robusta o suficiente para o uso adjuvante dos canabinoides no câncer de próstata como um agente antitumoral, que atuaria diretamente na origem da doença, mas vem crescendo o interesse e o uso dos canabinoides para o controle dos sintomas decorrentes da doença ou do seu tratamento.

Um estudo canadense teve como objetivo avaliar o padrão de uso de Cannabis em pacientes com câncer de próstata avançado e realizando terapia hormonal. Através de um questionário, foi possível observar que quase ¼ dos 56 participantes relataram ter utilizado Cannabis nos últimos meses, durante o tratamento. Os principais motivos para o uso foram o controle de dores, baixa energia, ondas de calor e mau humor/irritabilidade. Pacientes também buscaram alívio de enxaqueca e náusea. Com exceção das ondas de calor, a maioria dos participantes notaram melhorias nos sintomas para os quais estavam buscando alívio¹.

Outro estudo canadense buscou compreender as percepções e crenças do uso da Cannabis em pacientes com câncer no sistema reprodutivo e urinário, incluindo bexiga, rim e próstata. Os principais motivos para o uso foram o controle da ansiedade, dor, depressão e náusea, com benefícios mais notáveis no sono, na ansiedade e no humor de maneira geral².

Um ponto comum observado nos estudos é de muitos pacientes que acreditavam que o uso da Cannabis poderia, de algum modo, frear o crescimento do tumor, ou atuar diretamente na célula tumoral. Embora tal efeito seja muito desejável e os resultados de estudos em células e animais serem promissores, ainda não há embasamento para essa afirmação, algo que só será possível com a realização de estudos clínicos controlados.

Ainda assim, os canabinoides têm se mostrado importantes ferramentas para médicos de diferentes especialidades, e o que discutimos aqui representa apenas mais uma das suas inúmeras possibilidades de uso na clínica. Acompanhem nosso blog e nossas redes sociais para mais informações acerca do potencial terapêuticos dos produtos derivados da Cannabis.

Escrito por Gabriel Barbosa – Supervisor de P&D e Assuntos Regulatórios na HempMeds Brasil.

 

 

 

       Referências

    1. Weiss MC et al. A survey of breast cancer patients’ use of cannabis before, during, and after treatment. Journal of Clinical Oncology 38, no. 15_suppl (May 25, 2020).
    2. Zhang H et al. Association of Marijuana Use With Psychosocial and Quality of Life Outcomes Among Patients With Head and Neck Cancer. JAMA Otolaryngol Head Neck Surg. 2018 Nov 1;144(11):1017-1022.
    3. Cudmore J & Daeninck PJ. Use of medical cannabis to reduce pain and improve quality of life in cancer patients. Journal of Clinical Oncology 33, no. 29_suppl (October 10, 2015) 198-198.

LEIA MAIS CONTEÚDOS:

Como a Cannabis medicinal contribui no tratamento do câncer?

Estudo brasileiro aponta benefícios do CBD para tratamento de Burnout